BLOG DE MATERIAIS DA TIA JO

CLIQUE AQUI PARA VER

Dificuldades/Transtornos





 Dificuldades de Aprendizagem: Conceitos e Abordagens

Este texto trata do tema dificuldades de aprendizagem, colocando em foco o papel do professor enquanto o profissional responsável pela educação formal do aluno X o aluno no papel de aprendiz.
  • Toda vez que um aluno apresenta baixo rendimento escolar a culpa é dele ou do professor? Eis a questão: Será uma dificuldade de aprendizagem ou dificuldade de ensinagem!
Devemos levantar várias hipóteses quando o tema é a dificuldade em aprender. Pois muitos são os casos em que o aluno não aprende por causa do professor. Sendo assim, vou comentar sobre os dois temas.


Dificuldade de Ensinagem

Muitos são aqueles que escolhem a profissão por amor, dinheiro ou oportunidade, muitas vezes alcançada em um concurso público. De fato aquele que escolhe por amor, tem tudo para ser um excelente profissional, seja em qual área for. Enquanto aquele, que escolhe por dinheiro, poderá muitas vezes se perder, não encontrar identificação e dái desencadear uma dificuldade em transmitir o que sabe. Como ocorre naquela famosa frase dita por alguns alunos: Sinto que meu professor(a) sabe muito sobre determinado assunto, mas não sabe explicar! Quem nunca ouviu essa frase? Aqueles que veem no concurso público a oportunidade de ter um emprego estável, ótimo pensar assim. Mas se ainda não tiver amor e desejo pela profissão dificilmente obterá com êxito o sucesso escolar. Além disso, podemos dizer que tal dificuldade ocorre por outros motivos: falta de qualificação profissional, falta de atualização, desmotivação, desinteresse pela profissão. Sendo esses motivos, muitas vezes ocasionados pela desvalorização que infelizmente a educação apresenta. De fato, quando a dificuldade de aprendizagem ocasionada ao aluno tem como ensinante o causador, devemos sinalizar o alerta. E provavelmente, não só um aluno será prejudicado e sim vários.

 
Dificuldades de Aprendizagem: 
Após descartar a dificuldade de aprendizagem pela dificuldade de ensinar do professor, buscamos outras causas.Essas poderão ser de origem: cognitiva, emocional e orgânico. E é importante que sejam descobertas a fim de auxiliar o desenvolvimento do processo educativo, percebendo se estão associadas à preguiça, cansaço, sono, tristeza, agitação, desordem, dentre outros, considerados fatores que também desmotivam o aprendizado.
  1. Origem orgânica, pode ser bastante definidas e claras, levando- nos a supor que a área emocional e o ambiente familiar tiveram pouca ou nenhuma participação no seu aparecimento e determinação.  Seria o caso dos distúrbios de ordem neurológica ou metabólica, que implicam numa perda da capacidade de aprendizagem.
  2. Origem emocional, quando a dificuldade ocorre por causa do fator emocional, é preciso detectar o que pode ser a causa dessa dificuldade. Uma separação dos pais, mudança de escola, mudança de residência, entre outros. Será preciso trabalhar essa causa, para então a criança apresentar o sucesso escolar.
  3. Origem cognitiva, a criança nasce com distúrbio ou transtorno que dificultará o seu processo de aprendizagem. Entre eles mais comum são: Dislexia, Discalculia, Disortografia, TDAH, Disgrafia, Dislalia.


Principais Distúrbio e Transtorno que dificultam o processo de aprendizagem:

Dislexia: É um distúrbio específico de origem constitucional caracterizado por uma dificuldade na decodificação de palavras simples que, como regra, mostra uma insuficiência no processamento fonológico. Se manifesta por várias dificuldades em diferentes formas de linguagem freqüentemente incluindo, além das dificuldades com leitura, uma dificuldade de escrita e de soletração. Existe várias classificações para dislexia: dislexia adquirida, dislexia de desenvolvimento, dislexia central ,  dislexia periférica,  dislexia profunda, dislexia de superfície.

Discalculia: É um problema causado por má formação neurológica que se manifesta como uma dificuldade no aprendizado dos números. Essa dificuldade de aprendizagem não é causada por deficiência mental, má escolarização, déficits visuais ou auditivos, e não tem nenhuma ligação com níveis de QI e inteligência. Crianças portadoras de discalculia são incapazes de identificar sinais matemáticos, montar operações, classificar números, entender princípios de medida, seguir sequências, compreender conceitos matemáticos, relacionar o valor de moedas entre outros. Existe seis tipos de discalculia: a discalculia léxica, discalculia verbal, discalculia gráfica, discalculia operacional, discalculia practognóstica e discalculia ideognóstica.


Disortografia: A característica principal de um sujeito com disortografia são as confusões de letras, sílabas de palavras, e trocas ortográficas já conhecidas e trabalhadas pelo professor. Exº.:Troca de letras que se parecem sonoramente: faca/vaca, chinelo/jinelo, porta/borta; Confusão de sílabas como: encontraram/encontrarão; Adições: ventitilador; Omissões: cadeira/cadera, prato/pato; Fragmentações: en saiar, a noitecer;  Inversões: pipoca/picoca; Junções: No diaseguinte, sairei maistarde.


TDAH: Ocorre devido à uma diminuição dos neurotransmissores, dopamina e noradrenalina (substâncias químicas do cérebro que transmitem informações entre as células nervosas), fazendo com que a atividade do córtex pré-frontal seja menor. É uma disfunção neurobiológica. Essa região é a parte mais evoluída do cérebro e supervisiona as funções executivas: observa, guia, direciona e/ou inibe o comportamento, organiza,
planeja, e faz a manutenção da atenção e do auto-controle. Essa disfunção é crônica, herdada na grande maioria das vezes, daí sua presença desde a infância. Em menor grau há fatores do meio ambiente que podem estar relacionados ao TDAH (DDA):A nicotina de cigarros fumados pela mãe gestante bem como bebidas alcoólicas consumidas, podem ser causas significativas de anormalidades no desenvolvimento da região frontal do cérebro da criança em gestação. Crianças expostas ao chumbo entre 12 e 36 meses de idade pode ser outro fator.Traumatismos neonatais como hipoxia (privação de oxigênio), traumas obstétricos, rubéola intra-uterino, encefalite, meningite pós-natal, subnutrição e traumatismo craniano são fatores que também podem contribuir para o surgimento do distúrbio. Os principais sintomas são: falta de atenção, impulsividade e hiperatividade ou uma “energia nervosa”. Tipos de TDAH: desatento;  hiperativo/impulsivo e combinado.



Disgrafia: É o transtorno da escrita, de origens funcionais. Disgrafia surge nas crianças com adequado desenvolvimento emocional e afetivo, onde não existem problemas de lesão cerebral, alterações sensoriais ou história de ensino deficiente do grafismo da escrita. Existe dois tipos: como disgrafia do tipo maturativa, desenvolvida a partir de fatores próprios do desenvolvimento do indivíduo e disgrafia “provocada”, de causa pedagógica, cujo substrato é o ensino inadequado da escrita. Ambos, neste caso, reportam-se tanto ao excesso de exigência quanto à deficiente orientação no processo de aquisição do grafismo da escrita.


Dislalia: A dislalia é um distúrbio que acomete a fala, caracterizado pela dificuldade em articular as palavras. A pessoa portadora de dislalia, troca as palavras por outras similares na pronuncia, fala erroneamente as palavras, omitindo ou trocando as letras. Resumidamente, as manifestações clínicas da dislalia consistem em omissão, substituição ou deformação dos fonemas.
O caso clássico desse distúrbio é o Cebolinha, personagem da Turma da Mônica.O tratamento da dislalia é feita com o auxilio de um fonoaudiólogo e varia de acordo com a necessidade de cada criança.



        Ao apresentar dificuldades de aprendizagem, muitas vezes o aluno, ao perceber passa a demonstrar desinteresse, desatenção, agressividade, desmotivação...etc. Tais dificuldades acarretam sofrimentos e a verdade é que nenhum aluno apresenta baixo rendimento por vontade própria.

       É preciso também considerar os efeitos emocionais que essas dificuldades acarretam,  agravando o problema. Se seu rendimento escolar for sofrível,  a criança talvez seja vista como um fracasso pelos professores ou colegas,  e até pela própria família. 
      Infelizmente, muitas dessas crianças desenvolvem uma autoestima negativa, que agrava em muito a situação, e, que poderia ser evitada, com o auxílio da família e de uma escola adequada.  É essencial que as crianças recebam apoio dos pais, pois quando sabem que têm pais que dão suporte emocional, a criança desenvolve uma base sólida e um senso de competência que a leva a um autoestima satisfatória.
     Ao ser concebida, a criança já é depositária de uma série de expectativas tanto do casal, quanto das famílias de origem dos pais.  "Quando um indivíduo nasce,  ele não vem ao mundo como uma tela em branco,  mas sim,  inserido numa história familiar que compreende várias gerações e recebe uma série de missões e projeções dos pais,  avós e família extensiva"(Bowen, in Groisman, 1996).(pag. 29)



     Os primeiros ensinantes são os pais, com eles aprendem-se as primeiras interações e ao longo do desenvolvimento, aperfeiçoa. Estas relações, já estão constituídas na criança, ao chegar à escola, que influenciará consideravelmente no poder de produção deste sujeito. É preciso uma dinâmica familiar saudável, uma relação positiva de cooperação, de alegria e motivação.Torna-se necessário orientar aluno, família e professor, para que juntos, possam buscar orientações para lidar com alunos/filhos, que apresentam dificuldades e/ou que fogem ao padrão, buscando a intervenção de um profissional especializado. O Psicopedagogo é um dos profissionais recomendados para procurar diante uma dificuldade de aprendizagem. Em alguns casos, deverá ser solicitada ajuda a mais de um profissional, temos assim a equipe multidisciplinar, esta poderá ser composta por: Neurologista ou Neuropediatra, Psicólogo, Fonoaudiólogo, Psicopedagogo.


Dicas para os pais:
Estabelecer uma relação de confiança e colaboração com a escola;
Escute mais e fale menos;
Informe aos professores sobre os progressos feitos em casa em áreas de interesse mútuo;
Estabelecer horários para estudar e realizar as tarefas de casa;
Sirva de exemplo, mostre seu interesse e entusiasmo pelos estudos;
Desenvolver estratégias de modelação, por exemplo, existe um problema para ser solucionado, pense em voz alta;
Aprenda com eles ao invés de só querer ensinar;
Valorize sempre o que o seu filho faz, mesmo que não tenha feito o que você pediu;
Disponibilizar materiais para auxiliar na aprendizagem;
É preciso conversar, informar e discutir com o seu filho sobre quaisquer observações e comentários emitidos sobre ele.
Cada pessoa é uma. Uma vida é uma história de vida. É preciso saber o aluno que se tem, como ele aprende. Se ele construiu uma coisa, não pode-se destruí-la. O psicopedagogo ajuda a promover mudanças, intervindo diante das dificuldades que a escola nos coloca, trabalhando com os equilíbrios/desequilíbrios e resgatando o desejo de aprender.

Por Karla Carvalho - Pedagoga e Psicopedaga.Próibida a reprodução deste artigo sem prévia autorização do próprietário da autora. Sob pena da Lei 9610/19-02-1989 .


Seja sempre bem vindo ao nosso blog. Temos um PRESENTE para vc no final da página.

PARA SABER MAIS SOBRE ASSUNTO:


Vídeos:




ACESSE ESTES CANAIS NO YUTUBE E VEJA UMA VARIEDADES DE VÍDEOS SOBRE O TEMA.


LIVROS
PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI
 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
Editora: WAK
Assunto: PEDAGOGIA
Valor: R$30,00

PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI


 DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
O QUE SAO? COMO TRATA-LAS? 
Formato: Livro
Editora: ARTMED
Assunto: PEDAGOGIA
PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI


 
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
E INTERVENÇAO PSICOPEDAGOGICA 
Formato: Livro
Editora: ARTMED
Assunto: PEDAGOGIA
Valor: R$ --- (Em falta)



PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI
Formato: Livro
Idioma: PORTUGUES
Editora:  ARTMED
Assunto:  PEDAGOGIA
Edição: 1ª
Ano: 1998
Encadernacao: BROCHURA
Valor: Em falta


PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI


 
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DE A-Z
GUIA COMPLETO PARA EDUCADORES E PAIS 
Formato: Livro
Autor: STRICK, LISA
Editora: PENSO - ARTMED
Assunto: PEDAGOGIA
R$72,00

PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI

TRANSTORNOS E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
Formato: Livro
Organizador: SAMPAIO, SIMAIA
Editora: WAK
Assunto: PEDAGOGIA
Valor: R$58,00


PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI




 
Formato: Livro
Idioma: PORTUGUES
Editora:  WAK
Assunto:  PEDAGOGIA
Edição: 1ª
Ano: 2009
Encadernacao: BROCHURA
Valor: R$30,00
Link para compra:

PARA COMPRA ESTE LIVRO CLIQUE AQUI




Formato: Livro
Idioma: PORT. PORTUGAL
Editora:  PORTO EDITORA
Assunto:  PEDAGOGIA
Edição: 1ª
Ano: 1999
Encadernacao: BROCHURA
Valor: R$34,30


Referências Bibliográficas:

http://especialid.blogspot.com.br/2012/02/tipos-de-dislexia.html
http://www.universotdah.com.br/
http://educamais.com/o-que-e-disgrafia/
http://www.colegiosantamaria.com.br/santamaria/aprenda-mais/artigos/ver.asp?artigo_id=1

Apostila completa para você estudar sobre a diferença entre
DIFICULDADE  E TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
MÓDULO 01

MÓDULO 2


Leia o artigo e no final temos um PRESENTE surpresa para vc nosso leitor.

CONCEPÇÕES E PRÁTICAS NA ESCOLA SOBRE A DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM

Maria Goretti Quintiliano Carvalho2 - UEG – UnU São Luís de M. Belos
Resumo
Este artigo discute a participação do professor na relação que o aluno diagnosticado com dificuldades de aprendizagem estabelece com o conhecimento. Este trabalho é parte dos resultados de pesquisa empírica sobre o saber, a aprendizagem e a relação que o sujeito estabelece com o saber realizada no sistema de ensino público municipal em São Luís de Montes Belos. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com os professores sobre a formação inicial e continuada, a jornada de trabalho, o planejamento das aulas, o trabalho com crianças consideradas com dificuldade de aprendizagem, entre outros. Realizou-se também observações durante as aulas com o objetivo de verificar a relação entre os dados coletados por meio das entrevistas e os dados percebidos durante as observações da prática pedagógica dos professores e das atitudes das crianças apontadas pelos professores como com dificuldade de aprendizagem em relação às
atividades propostas, bem como sua relação com os conteúdos trabalhados pelo professor. Essa reflexão fundamenta-se nas reformulações de Charlot (2000, 2001,2005, 2006) sobre a aprendizagem, que considera a relação com o saber, com o aprender, como a relação que o sujeito estabelece com o mundo, Com o outro e consigo mesmo quando é confrontado pela necessidade de aprender. Identificou as concepções de dificuldade de aprendizagem que balizam o trabalho pedagógico do professor no ensino fundamental, refletindo sobre o que os professores pensam acerca da dificuldade de aprendizagem e quais elementos constituem essa sua concepção, e, ainda o que os professores e/ou a escola fazem para reverter situações de fracasso escolar, além dos critérios que os professores consideram para identificar as crianças que têm dificuldade de aprendizagem. Por meio dessa pesquisa foi possível identificar que os professores utilizam três critérios para avaliar seus alunos e diagnosticá-los como crianças com dificuldade de aprendizagem ou não. Avaliam seus alunos de acordo com o ritmo de cada um em na resolução das tarefas; consideram que algumas crianças têm dificuldade em aprender devido a pouca ou deficiente participação da família no trabalho desenvolvido pela escola e ainda devido às diferenças culturais. Constatou-se também
que o professor não inclui sua prática pedagógica ao avaliar a capacidade ou dificuldade de aprendizagem de seus alunos. Mesmo afirmando durante as entrevistas que realiza trabalho diferenciado com seus alunos porque considera a subjetividade deles ao preparar suas atividades, não foi observada nenhuma atividade dessa natureza, todas as crianças realizaram a mesma atividade (mimeografadas).
Palavras-chave: Aprendizagem. Dificuldades de aprendizagem. Trabalho pedagógico.

1 Este texto faz parte da pesquisa realizada para a elaboração da dissertação no mestrado.
2 Mestre em Educação pela Universidade Católica de Goiás, professora nos cursos de Pedagogia e de
Letras na Universidade Estadual de Goiás.

Introdução
A educação brasileira, por meio da Constituição Federal, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação e demais documento da legislação educacional, garante, entre outros itens, a igualdade de condições para o acesso e permanência na escola e estabelece os fins da educação de seus sujeitos3. De modo bastante específico, a LDB/1996 determina que:
Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. (Lei 9394 de 20 de dezembro de 1996). 
Entretanto, a educação pública brasileira não consegue atingir os fins anunciados no texto da lei. Enquanto no Art. 3º da LDB 9394/1996 na escola; valorização do profissional da educação escolar; o padrão de qualidade; a valorização da experiência extra-escolar; a vinculação entre a educação escolar, o trabalho e as práticas sociais, há décadas os índices estatísticos denunciam que a qualidade e a eficácia da educação brasileira, principalmente a pública, não atendem a tais expectativas. Estes e vários outros aspectos como infra-estrutura, remuneração salarial dos profissionais da  educação, condições de trabalho, formação  Pedagógica dos professores e material didático são aspectos não considerados pelos governantes e que comprometem a prática educativa nas escolas públicas brasileiras.
Há décadas, os índices estatísticos denunciam que a qualidade e a eficácia da educação brasileira, principalmente a pública, não atendem às expectativas de escolarização da população. O que os índices estatísticos evidenciam é que o sistema de ensino não tem sido suficientemente eficaz para garantir a aprendizagem de todas as pessoas que se inserem ou são inseridas no processo de escolarização. Grande parte das crianças brasileiras que freqüenta a escola não consegue aprender o que lhes é ensinado,
sendo esta uma das principais causas da repetência ou da evasão escolar.
O sistema brasileiro de educação é avaliado anualmente por órgãos nacionais e 3 Que não se considere o Sujeito da aprendizagem (o Eu epistêmico) como imediatamente  dado, mas como uma certa postura de um sujeito envolvido tanto em relações de desejo como em relações sociais e instituições. (CHARLOT, 2001, p. 20). 
Dados internacionais que apresentam dados e/ou resultados alarmantes relacionado à evasão e à repetência escolar na escola pública. Uma das razões de manutenção desta situação tem sido a dependência do Brasil em relação ao Banco Mundial na liberação dos recursos para o desenvolvimento de projetos na educação, obrigando o país a aceitar as condições impostas por esse órgão e adotar medidas que vêm de encontro às reais necessidades educacionais brasileiras.
Assim, a liberação das verbas destinadas aos projetos na área da educação é controlada conforme as estatísticas de aprovação e permanência dos estudantes nas escolas. Se as estatísticas revelam altos índices de reprovação, o Banco Mundial reduz as verbas, se a situação é oposta, com bons resultados de aprovação, mais recursos são destinados para a educação.
As normas estabelecidas pelo Banco Mundial para a liberação desses recursos não fixa critérios para a aprovação ou reprovação dos alunos. Assim, o discurso pela permanência do aluno na escola, em nome da “democratização do ensino”, e pela “escola para todos”, é uma falácia que tenta assegurar a permanência do aluno na escola garantindo índices estatísticos satisfatórios sem, contudo, garantir seu progresso e/ou avanço na aprendizagem escolar.
Desta perspectiva, o que se presencia é a elaboração de programas paliativos com o objetivo de modificar os números que comprometem a política educacional e as relações econômicas do país com os organismos internacionais de financiamento. Pouco se modificam as ações pedagógicas em relação às condições de trabalho, de estudos, e aprimoramento das pessoas envolvidas nesse processo.
No que diz respeito à pesquisa educacional brasileira, o fato de haver tantas crianças que não aprendem o que lhes foi ensinado, ou que não conseguem permanecer na escola, tem motivado inúmeras pesquisas sobre o assunto. Algumas dessas pesquisas focam o ensino, outras focam o desenvolvimento da aprendizagem e há as que analisam as políticas educacionais. Entretanto, apenas um número bastante reduzido estuda o fracasso escolar (termo comumente utilizado para estudar a dificuldade de aprendizagem) na perspectiva da aprendizagem, relação com o saber, portanto, do desenvolvimento da aprendizagem escolar dos alunos.
Assim, torna-se pertinente, explicitar um aspecto da dificuldade de aprendizagem pouco discutida pelo discurso sobre o fracasso escolar: a participação do professor na relação que o aluno diagnosticado com dificuldades de aprendizagem estabelece com o conhecimento.

Dessa maneira, essa pesquisa objetiva identificar as concepções de dificuldade de aprendizagem que balizam o trabalho pedagógico do professor no ensino fundamental, refletindo sobre três questões: o que os professores pensam sobre dificuldade de aprendizagem e quais elementos constituem essa sua concepção? O que os professores e/ou a escola fazem para reverter situações de fracasso escolar? Quais critérios os professores consideram para identificar as crianças que têm dificuldade de aprendizagem? 

Trata-se, portanto de inquirir sobre as concepções que norteiam a prática dos professores que lidam no dia-a-dia com crianças que têm dificuldade para aprender da mesma forma e no mesmo ritmo que seus colegas de sala de aula; bem como identificar quais elementos constituem a concepção de dificuldade de aprendizagem utilizada pelo professor para diagnosticar essas crianças e para reverter o quadro de dificuldades constatadas.

Esse trabalho visa a discutir as causas de tantas histórias de fracasso escolar.Pois, segundo Charlot, (2000, p. 16) estudar o fracasso escolar é impossível, pois não é um fato que a ciência possa estudar, constatar, mensurar, analisar, controlar experimentalmente. O fracasso escolar não possui vida, não ataca ninguém, não é observável, o que significa que não é passivo de análise (CHARLOT, 2000, p. 16). O que existe sendo são crianças, pessoas em situação de fracasso.
Para estudar essas situações de fracasso escolar, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 14 professores da rede municipal de São Luís de Montes Belos, que atuam nas primeiras séries do Ensino Fundamental, procurando identificar, além da concepção dos professores em relação à dificuldade de aprendizagem, o índice de alunos que são considerados com dificuldade de aprendizagem, o trabalho que é feito com essas crianças diagnosticadas com dificuldade de aprendizagem e o que a escola oferece às crianças.
São Luís de Montes Belos tem sua população concentrada na zona urbana, mas com economia apoiada na agropecuária e com tradição cultural expressivamente marcada pelo meio rural. Possui uma população de 27.376 mil habitantes, 7 Centros Municipais de Educação Infantil (CEMEI), 22 escolas de Ensino Fundamental (11 públicas municipais, 7 públicas estaduais e 4 particulares) e 5 escolas de nível médio (2
públicas estaduais e 3 particulares).
Em 2006, a taxa de matrícula escolar de crianças em idade escolar era de 5032 matrículas (2077 em escola pública estadual, 1987 em escola pública municipal e 968 5 em escolas particulares), e os professores que atuam na rede pública de ensino possuem formação em nível superior em pedagogia ou em licenciatura em área específica. Após as entrevistas, foi definida como amostra para coleta de dados, por meio de observações,a docência dos professores que atuam na escola que possui maior número de alunos, os que atuam na escola que possui menor número de alunos e os que atuam em uma das escolas da zona rural (optou-se pela que possui maior número de alunos).
Na escola com menor número de aluno, Escola Municipal Cantinho Feliz4, optou-se, pela professora que demonstrou maior envolvimento em trabalhar com as cinco crianças diagnosticadas com dificuldades de aprendizagem de sua turma. Dessa  forma, as observações foram realizadas na sala do 3º Ano (antiga 2ª Série). 
Na escola com o maior número de alunos, Escola Municipal Sol Nascente, a escolha da turma para a realização das observações foi realizada pela própria escola, a coordenadora de turno, juntamente com os demais professores, decidiram as observações seriam realizadas na turma do 2º Ano (antiga 1ª série), onde, segundo a professora, havia duas alunas com dificuldades de aprendizagem.
Na Escola Municipal Mundo Verde, o critério utilizado para a escolha da turma foi o da faixa-etária mais elevada, para que se observasse de que maneira o professor interage com crianças mais velhas que apresentam dificuldades de aprendizagem, bem como de que forma essas crianças interagem com o professor, com os colegas, com o conteúdo a elas ensinado. Dessa maneira, a turma observada foi a de 4º e 5º Anos (antigas 3ª e 4ª séries), na qual, segundo o professor, há cinco crianças com dificuldades
de aprendizagem.
Os dados foram analisados mediante os critérios estabelecidos pela metodologia da “Análise de Conteúdo” (BARDIN, 1977, p. 95). Os resultados dos estudos realizados e dos dados encontrados estão organizados nesse texto em três tópicos: As escolas e seus sujeitos; O que os professores pensam sobre dificuldade de
aprendizagem? O trabalho pedagógico de recuperação da aprendizagem: o discurso e a prática, que está subdividido em três subseções: O ritmo: atitudes do professor e do aluno em sala de aula; Aparato extra-escolar de ajuda psicológica e pedagógica às crianças.
Todos os nomes de escolas, de professores e de alunos utilizados neste texto são fictícios.

 O que os professores pensam sobre dificuldade de aprendizagem?
A partir das entrevistas e das observações realizadas, é possível afirmar que a concepção que o professor tem acerca do que seja dificuldade de aprendizagem está relacionada a três fatores considerados mais evidentes: o ritmo de cada criança em desempenhar as tarefas determinadas por ele; está relacionado também à atuação da família que não participa da educação dos filhos, que não ajuda na resolução das tarefas de casa; e ainda, está relacionada às deficiências culturais da criança, causadas pela classe social de origem, pela necessidade dos pais em trabalhar, ou ainda, por pertencerem a famílias fora da estrutura padrão (moram somente com o pai ou com a mãe, são criados pelos avós, ou os pais têm problemas emocionais que transferem para os filhos). Os professores atribuem mais peso às famílias, acusando os pais de não participarem da vida escolar das crianças, de não ajudarem nas tarefas de casa, não participarem de reuniões, nem atenderem aos chamados da escola. Que fazem reuniões com os pais, que eles se comprometem a acompanhar os filhos, mas que depois não cumprem com o que foi combinado com os professores, deixando seus filhos sozinhos nos estudos realizados em casa.
Porém, em nenhum momento os professores se colocaram no processo de aprendizagem dos seus alunos, considerando como responsáveis pelas dificuldades de aprendizagem apenas elementos externos a esse processo. O serviço oferecido pela escola e sua participação na produção dessas dificuldades de aprendizagem não é colocado em discussão.

O trabalho pedagógico de recuperação da aprendizagem: o discurso e a prática No sistema educacional brasileiro, na grande maioria das escolas um professor é o responsável por uma série, com um currículo, um programa a ser cumprido. Essa organização é citada por muitos professores como causa e justificativa para as dificuldades de aprendizagem. Segundo muitos professores, os problemas apontados são causados por uma aprendizagem deficiente que ocorreu na série anterior, ou porque a família não proporcionara os estímulos necessários a uma aprendizagem favorável ao nível e ritmo da turma atual. O problema está na criança que não veio pronta para os conteúdos específicos da série que frequenta. O que já havia sido evidenciado por Patto (1999) e Sampaio (2004), na cidade de São Paulo, pôde ser constatado quase duas
décadas depois, em uma cidade do interior de Goiás.

Os professores entrevistados nas escolas de São Luís de Montes Belos afirmaram que ao diagnosticar em suas turmas crianças que apresentam dificuldades de aprendizagem, são realizados trabalhos de recuperação paralela, reforço fora da sala de aula e atendimento com psicólogo. Entretanto, o planejamento desses professores não sofre nenhuma alteração, pois têm um programa a ser cumprido, um volume de conteúdos a ser ministrado, já que acima deles tem várias instâncias de cobrança desse trabalho através da burocracia em emitir documentos que comprovem que o conteúdo específico daquele ano foi trabalhado, o que coloca a autonomia do professor bastante fragilizada.

Durante a pesquisa de campo, foram identificadas categorias presentes no discurso dos professores para a explicação das dificuldades de aprendizagem, bem como para justificar o trabalho pedagógico realizado por eles. Nesse sentido, os dados serão organizados e analisados a partir dessas categorias de trabalho: ritmo, família (ajuda extra-escolar) e diferenças culturais.

O ritmo: atitudes do professor e do aluno em sala de aula
A concepção de alguns professores sobre o que seja dificuldade de aprendizagem está relacionada ao amadurecimento de cada criança ao tipo de conteúdo trabalhado no ano em que está estudando. Mencionaram a dificuldade que algumas crianças têm em realizar leitura com a mesma desenvoltura do restante da turma. Outra dificuldade apontada foi em relação à caligrafia, quando as crianças não são capazes de escrever com letra legível, o que é trabalhado com cópias em cadernos de caligrafia.
Em relação ao trabalho desenvolvido para solucionar a dificuldade de aprendizagem a aula de reforço, independente da forma como é realizada, ou seja, realizada pelo professor ou pela coordenação, é o trabalho realizado com as crianças para que seu nível ou capacidade de aprendizagem seja equiparado ao das outras crianças, para que consigam o mesmo ritmo do restante da turma em realizar as atividades propostas pelos professores.
Para reverter o problema da dificuldade de aprendizagem, 50% dos professores entrevistados consideram que o trabalho de reforço seja suficiente para que as crianças que apresentam dificuldade de aprendizagem consigam acompanhar o ritmo do restante da turma. Para a outra metade dos professores repetir o que já foi dito é o suficiente para reverter o problema, basta exercitar as atividades da sala de aula para que a aprendizagem ocorra. 50% dos professores consideram que o atendimento individualizado com atividades específicas é outra ação que surte grande efeito no trabalho com crianças com dificuldade de aprendizagem e que o trabalho com um psicólogo é de grande ajuda no trabalho com essas crianças.
A dificuldade de aprendizagem na leitura e escrita foi apontada por todos os professores como o principal problema das crianças diagnosticadas como “portadoras de dificuldades de aprendizagem”. Alguns citaram a dificuldade na leitura e resolução de problemas, afirmando que as crianças não compreendem que tipo de cálculo o “problema” requer para resolvê-lo. Apenas 14% dos professores citaram a dificuldade de aprendizagem do cálculo em matemática, ou seja, na resolução dos cálculos (quatro operações).

Apesar de ter sido afirmado que as tarefas eram planejadas considerando as dificuldades das crianças, durante todas as observações nenhuma atividade diferenciada foi utilizada pelos professores para as crianças diagnosticadas com dificuldade de aprendizagem. Pelo contrário, foram apresentadas tarefas iguais a todas as crianças,tarefas rodadas em mimeógrafo e, apesar das dificuldades manifestadas pela criança, o professor não procurou saber dela o que havia compreendido em relação àquela atividade. As crianças que não conseguiram resolver as atividades não receberam atenção especial do professor. A metodologia utilizada é a seguinte: “[...] a professora faz (no quadro), ensina (explica) como é que se deve fazer e, assim, cada um faz: podese, então, dizer que todo mundo aprendeu [...]”.(UNESCO/INEP, 2007, p. 199), Segundo Postic (2000, p. 32) a tarefa escolar é o centro do processo educativo e a relação entre professor e aluno é fortemente determinada pela natureza e grau de coação da tarefa escolar. A partir do que foi observado, é possível afirmar que toda a atividade pedagógica é elaborada em função de uma tarefa (rodada no antigo
mimeógrafo) que os alunos terão que resolver seguindo as explicações dadas pelo professor no início da atividade. 

Outro comportamento identificado é que durante as atividades, algumas crianças desempenhavam uma atividade secundária em vez de executarem a proposta do professor. Dessa forma, enquanto a criança não consegue compreender que resposta o professor espera, ela desenvolve outras atividades para manter uma aparência de 9 produtividade. E quando essa criança é deixada em meio a essas “outras” atividades, “a escola, assim, além de não promover o gosto pelo saber, consegue contribuir para que o aluno o evite” (PARO, 2003, p. 46). E quando a criança percebe que está sozinha em sua tarefa, ela procura alternativas para alcançar os meios de corresponder às exigências da escola, do professor e dos pais: dar as respostas corretas nas tarefas e nas avaliações.

Dessa forma, a criança é capaz de perceber que o que importa para o professor é a resposta correta, a resposta esperada pelo professor. A valorização da resposta correta faz com que criança compreenda que responder certo é o mais importante, apresentar as respostas esperadas nas tarefas é o que importa.

Aparato extraescolar de ajuda psicológica e pedagógica às crianças
Grande parte dos professores afirma que muitas vezes, a família não se interessa em participar do trabalho da escola. Alguns professores afirmam que quando isso ocorre desistem da família e ficam com a criança. Para esses professores, a participação da família é muito importante, mas não é primordial, pode-se fazer um bom trabalho sem ela. Entretanto, justificam as dificuldades de aprendizagem das crianças apontando a ausência da família nesse processo.

Todos os professores ressaltaram que o trabalho com a psicóloga do município é muito importante, pois eles consideram que a maioria dos problemas é causada por fatores de ordem psicológica, apesar de não saberem especificar qual o problema psicológico que compromete a aprendizagem dessas crianças. Valorizando o trabalho realizado por um sujeito extra-escolar, fora da sala de aula, para reverter o problema de aprendizagem, pois consideram que o que impede, ou dificulta a aprendizagem de seus alunos é algo que está fora da sala de aula, relacionado ao próprio aluno. Em nenhum momento colocam seu trabalho como um dos fatores que possa comprometer a aprendizagem de algum de seus alunos.
Destacaram ainda que, além das atividades de reforço que eles passam para as crianças, é realizado trabalho de reforço pela diretora e coordenadora, o que consideram uma importante ajuda para o trabalho com as crianças diagnosticadas com dificuldades de aprendizagem. As atividades consistem em leitura de textos durante o período da aula, quando o aluno é chamado pela diretora ou pela coordenadora para “tomarem” a leitura dessas crianças.

Em relação à participação da família foi possível observar que, apesar das declarações dos professores nas entrevistas, as famílias de duas crianças diagnosticadas pela professora com dificuldade de aprendizagem são preocupadas com a aprendizagem de suas crianças, entretanto evidenciam que não têm condições de colaborar com a aprendizagem de seus filhos da maneira esperada pela professora e pela escola.
A mãe de Neli é muito preocupada com a filha, acompanha todos os dias até a escola, diz para se comportar, fazer tudo que a professora mandar. Fica na porta da sala até a professora chegar. (Observação Escola Sol Nascente).
Perguntei à Waléria por que ela não fazia as tarefas, e ela respondeu-me: Não sei fazer. Mas, minha mãe vai pagar aula de reforço para mim, aí eu vou dar conta de fazer. (Observação Escola Sol Nascente).
Além de a escola colocar a responsabilidade pelas dificuldades de aprendizagem no aluno, a criança e a família também o fazem. Concordam que o problema está na criança e que deve ser realizado um trabalho de reforço fora da sala de aula, ou fora da escola, por outra pessoa. Dessa forma, “hábitos de estudo e
acompanhamento em casa  tornam-se, então, indispensáveis para acompanhar a classe, uma vez que as horas diárias passadas na escola destinam-se a ouvir exposições e exercitar as noções”. (SAMPAIO, 2004, p. 102). O que indica que é com a família que o aluno conta quando tem problemas na escola. A atribuição do apoio extraescolar como responsável pela melhora da aprendizagem das crianças foi observada também por Postic (2000), em pesquisa realizada em Madri, na Espanha.
O que confirma o que Charlot afirma sobre a concepção que o aluno e, pode-se afirmar que a família tem sobre a aprendizagem. A partir de suas pesquisas, esse autor (CHARLOT, 2000, p. 29) “afirma que na perspectiva do aluno, o professor é o sujeito da aprendizagem, a ele basta que freqüente às aulas, que seja comportado e que faça tudo o que o professor ordenar” para que aconteça a aprendizagem.
Ao atribuir a responsabilidade do fracasso escolar a fatores externos à sala de aula, como os de ordem familiar, psicológica ou cultural, os professores afastam a ideia de que seu trabalho seja o um dos responsáveis pela produção das desigualdades escolares.

Deficiências culturais: comportamento dos professores Miguel (aparência bastante pobre, camiseta muito amassada e encardida),menino bastante alegre, um pouco tímido, apresenta leitura muito lenta, ao terminar de ler para a turma, se sentou e recomeçou a leitura do seu livro. Veio transferido do norte do Brasil. (Observação Escola Mundo Verde). 

Para justificar as dificuldades de aprendizagem, alguns professores mencionam as diferenças culturais existentes entre os alunos e, principalmente, entre os alunos e eles (os professores). A cultura da classe pobre interfere tanto assim? Os professores da rede pública de ensino não são também da classe popular?
Certamente esse é somente mais um argumento para responder pela responsabilidade do fracasso escolar dessas crianças. É mais uma forma de atribuir a culpa pelo fracasso escolar à própria criança vítima dessa situação. Caso as diferenças culturais fossem responsáveis por essas dificuldades, as crianças apontadas com DA teriam dificuldade em se relacionar com as outras crianças, com os professores em momentos que não fossem para resolver alguma atividade escolar. O que pode ser exemplificado com a relação que Waléria estabelece com as atividades escolares propostas pela professora e com a relação que ela estabelece com o grupo em outros momentos.
Waléria é líder na sala e no recreio. Os outros colegas vêm até ela para pedir permissão para brincar com ela, somente alguns colegas recebem a permissão. É agressiva com os colegas em outros momentos extrovertida. A mãe nunca aparece, não busca nem as avaliações. Ela não consegue escrever, consegue apenas copiar. (Observação Escola Sol Nascente). 
Outro comportamento identificado na prática pedagógica que reforça a dificuldade das crianças é o de demonstrar que o desempenho da criança não é o esperado para aquela turma. A diferença da capacidade de leitura das crianças diferencia de uma criança para outra e o professor demonstra não ser capaz de lidar com essas diferenças.
Luciano, aluno apontado como portador de DA, de cabeça baixa, treinava a leitura enquanto os outros colegas liam, sua leitura é silábica, acompanhada com o dedo sobre o texto. Ele é chamado para fazer a leitura, mas como é uma leitura muito grande e cheia de “tropeços”, o professor interrompe, dizendo que já estava bom e que pudesse se sentar. (Observação Mundo Verde).
Mesmo que o professor não tenha a consciência do que está fazendo, a criança certamente compreende que seu desempenho não é o esperado pelo professor, que demonstrou que ouvi-lo tomaria muito tempo da aula. Outra postura verificada é a de o professor preparar uma atividade para os alunos resolverem enquanto ele executa outra. 

A professora, em sua mesa ignora as dificuldades que essas crianças estão enfrentando sozinhas em suas carteiras tentando fazer o que foi solicitado. As crianças que não conseguem, nem mesmo, arriscar uma resposta ficam ainda mais solitárias porque, obviamente, elas sabem que o professor está percebendo que não estão fazendo o que foi determinado, e nem assim recebem a atenção desse professor. A dificuldade de
aprendizagem que essas crianças apresentam são consideradas de responsabilidade delas mesmas.

Um dos principais instrumentos utilizados pelos professores para preparar o conteúdo e atividades para os alunos é o livro didático. Manual que é elaborado considerando a realidade de seus autores. Os assuntos trabalhados nesses livros são bastante distantes dos alunos e professores.

Considerações Finais
Através das observações e entrevistas foi possível perceber que os professores não estabelecem uma relação pedagógica com as crianças diagnosticadas com dificuldade de aprendizagem. E que essas crianças estão distantes dos conteúdos e atividades propostas pelo professor, o que indica que as atividades são preparadas tendo como parâmetro as crianças que têm mais facilidade em desenvolvê-las.
Entretanto, outros fatores devem ser considerados antes de responsabilizar o trabalho pedagógico realizado pelo professor e pela escola, pelas dificuldades de aprendizagem dos alunos. A falta de uma política educacional que priorize sanar os problemas relacionados à educação impede que um problema tão antigo quanto o sistema educacional seja solucionado: o fracasso escolar de grande parte das crianças, jovens e adultos que frequentam o ensino público.
Em decorrência do baixo salário, o professor se vê obrigado a ter jornada dupla de trabalho, o que certamente compromete tempo de planejamento, de reflexão sobre os problemas identificados e, ainda, o seu trabalho em sala de aula. Outro fator que deve ser considerado é o fato de que em sua formação inicial, os futuros professores não são preparados para lidar com a dificuldade de aprendizagem, são trabalhadas somente disciplinas que ensinam como ensinar sem considerar que em toda sala de aula terão crianças que aprendem de maneira diferente dos outros colegas, ou aprendem em ritmo diferente do restante da turma.
Há também as condições de trabalho enfrentadas nas escolas públicas. As escolas não contam com apoio pedagógico institucional, uma equipe de profissionais para auxiliar e orientar o professor no diagnóstico das crianças e no trabalho capaz de solucionar as dificuldades diagnosticadas. Em vez de encontrar esse apoio, os  professores se veem obrigados a lidarem sozinhos com salas superlotadas, com crianças que não aprendem da mesma maneira que as demais crianças. 
Por fim, outro fator que deve ser destacado é a ausência de uma cultura acadêmica e apoio financeiro que estimule o professor em sua formação continuada, oportunidade de direcionar seus estudos para os problemas encontrados em sala de aula. Ao elencar alguns fatores que influenciam na produção das dificuldades de aprendizagem das crianças não significa que a atitude docente comprometida seja considerada como a menos influente nesse processo. Apesar dos obstáculos apresentados anteriormente somente uma prática docente responsável, independente das dificuldades enfrentadas diariamente pelos professores, principalmente da rede pública de ensino, será capaz de iniciar o processo de desconstrução e reconstrução da prática docente, da relação que deve ser estabelecida entre o aluno, o professor e o saber.
Certamente essa discursso deve ser aprofundada para que o problema que assola a educação brasileira diariamente seja investigado e discutido. Dessa forma, é necessário que outros trabalhos sejam realizados com o objetivo de enriquecer esse debate.

Referências
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: edições 70, 1977.
BRASIL. Ministério da Educação. Lei de diretrizes e bases da educação nacional.
Brasília, 1996.
CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber: elementos para uma teoria. Trad. Bruno
Magne. Porto Alegre: Artmed, 2000.
______. A noção de relação com o saber: bases de apoio teórico e fundamentos
antropológicos. In: ______ (Org.). Os jovens e o saber: perspectivas mundiais. Porto
Alegre: Artes Médicas, 2001, 15 – 31.
14
______. Relação com o saber, formação de professores e globalização: questões para
a educação hoje. Porto alegre: Artmed, 2005.
______. A Escola e o saber. Entrevista concedida a Pricilla Ramalho. Centro de
Educação Mário Covas. Disponível em:
<http://www.crmariocovas.sp.gov.br/ent_a.php?t=006>. Acesso em: 20 out. 2006.
PATTO, Maria Helena Souza. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão
e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.
PARO, Vitor Henrique. Reprovação escolar: renúncia à educação. 2. ed. São Paulo:
Xamã, 2003.
POSTIC Marcel. Para uma estratégia pedagógica do sucesso escolar. Porto: Porto
Editora, 1995.
SAMPAIO, Maria M. F. Um gosto amargo de escola: relações entre currículo, ensino
e fracasso escolar. São Paulo: EDUC/FAPESP, 2004.
UNESCO; MEC/INEP. Repensando a escola : um estudo sobre os desafios de
aprender, ler e escrever /coordenação de Vera Esther Ireland. – Brasília: UNESCO,
MEC/INEP, 2007.
Seja em vindo ao nosso bloguinho, não deixe de comentar , seu comentário ajuda a manter este trabalho para que ele se torne cada vez melhor.
MANUAL DAS DIFICULDADES ESCOLARES


Dificuldades de Aprendizagem em 120 slides

Clique na imagem para AMPLIAR








































































































































GOSTOU??? ......Estou Feliz em Tê-lo aqui em nosso blog ...Deixe um recadinho na caixinha de mensagem dizendo o que vc achou...bejimmmm...viu....toda semana temos artigos exclusivos e inéditos em nosso blog volte sempre.


8 comentários:

Fernanda disse...

Olá! Gostaria de pedir a autorização da autora do artigo da postagem para que possa reproduzir para utilizar material para capacitação de professores

Jossandra Barbosa disse...

Oi Fernanda falei com a autora e ela deu autorização para reproduzir o texto em sua capacitação.

Kênia disse...

Oi! Gostaria de pedir a autorização da autora do artigo da postagem para que possa reproduzir parte do artigo com os devidos méritos à autora no meu tcc de psicopedagogia.

Kênia

Gleide do Carmo disse...

Gostei muito do artigo. Sou psicopedagoga e sei que esses assuntos só nos enriquecem para o aprendizado e para a prática através da observação no nosso desenvolvimento profissional.

Gleide do Carmo disse...

Nossa! Gostei muito do artigo. Sou psicopedagoga formada a pouco tempo e sei que esses assuntos é de grande importância para o nosso crescimento profissional através da observação para a busca da solução de cada indivíduo.
Muito bom mesmo! Parabéns!

SONIA SANTANA disse...

PARABÉNS!!! SEU BLOG É MARAVILHOSO! SUAS POSTAGENS TEM ME AJUDADO MUITO. SONIA SANTANA

Anônimo disse...

amei esse artigo, peço autorização para usa-lo no meu trabalho de psicopedagogia. obrigado

Prof Marcio disse...

como eu faço para baixar estes artigos e o livro dificuldades de aprendizagem, estou me formando neste começo deste ano em psicopedagogia, está faltando apenas os estágios que já estou começando a fazer. adorei o blog e a sua declaração sobre a ABPp, mas queria saber como posso baixar estes artigos sobre dificuldades de aprendizagem.